29 de mai de 2012

Vida


Vida
Me disseram que
você é o meu caminho
Não sei por onde começar
Vejo tantos lugares nesse
mundo de música alternativa

Meu rítmo não acompanha
a maré prevista no último censo
Sou como uma garrafa sem
mensagem perdida entre as cidades
A civilização vive no horizonte

Esse asfalto não é novo
Não devo ser o primeiro também
que pede para o vento embalar
respostas sem voltas
Sinto-me um cacto nesse deserto

Vida
Me disseram que
você é o meu caminho
e não sei por onde devo andar

A chuva que hoje cai
não limpa, não renova
Afinal a rotina é a mesma
Eu tento sorrir em meio ao nada
E nada de encontrar

Um pleonasmo perdido
em um hiato sem fim
O céu da noite me faz pensar
como uma tevê girando canais
pensando em tudo que não fiz

Minha composição soa
com ou sem rimas
Procuro sentir minha voz
Livre de apuros
Livre pra (um dia) sentir o meu sorrir

Vida
Me disseram que
você é o meu caminho
e não sei aonde vou terminar

Yuri Thomazelli

22 de mai de 2012

À todas as vistas


Nunca amei a ninguém
A ilusão se deu num deserto
de emoção
Não sinto nada em vão
Precisava fazer esvaziar
toda essa falsa atração

Trabalhar uma mente
até o fim da linha
Foi tudo divertido
Desse jeito segue a vida

O mundo é capitalista
e o mercado é amplo
Vivemos na globalização
Dentro ou fora da nação

Aqui eu cuspo palavras
sem nexo em um contexto
perturbado
Envio como um bom dia
esperando por um amanhã
interessado

Dissecação de tudo que nunca foi sentido
Os bens têm fragâncias exóticas
com um sabor de sacrifício
Em nomes rápidos da monotomia
a fim de esquecer que já foi vivido

As regras da estrada sem iluminação
Setas confusas na excitação
por procurar e procurar sem nada achar
O vazio transitando enternamente
dentro de cada coração

Yuri Thomazelli
(Imagem: Rodrigo Matos Silva)