29 de jun de 2013

0

Ausente
de uma vida
Não há
outra além da
minha

Fora de ordem
dentro dos meus
passos
Não há porquês

Uma solução de
um único indivíduo
individualista
sem dívidas

São tantas estradas
Nunca me dei
conta de quantas
vezes fui e voltei

Pouco tempo ou
há muito tempo
fingi que nunca vi
ou que eu sempre soube

O 'novo' de novo
embora não seja uma
corrida e solitária disputa
Há algum sentido hoje?

Eis que estou
longe do funeral
amarrado ao vento
vendo do alto ou
ainda daqui debaixo
os erros e acertos
Tu, ele, vós, eles
estavam 'ocupados'
enquanto eu estava
'ausente'

Yuri Thomazelli

8 de jun de 2013

Ciclos


Mais uma vez
Tudo em paz
Mais uma vez jaz
Agora tanto faz

Do dia para a noite
O vento sopra em
todas as direções
O pó voa junto
O sol não é o bastante
A cortina fecha horizontes

Mais uma vez
Tudo em paz
Mais uma vez jaz
Agora tanto faz

O som é distorcido
Uma melodia é apedrejada
Canções de ninar
Pesadelos da noite
Palavras de uma voz cortante
A verdade deixou de ser significante

Mais uma vez
Tudo em paz
Mais uma vez jaz
Agora tanto faz

Um passado dentro do presente
Surpresa desilusão
Não foi assim que contaram
Justiça na palma da mão
O domínio alucinante até
a hora de outra queda adiante

Mais uma vez
Tudo em paz
Mais uma vez jaz
Agora tanto faz

Círculos, buracos
A prisão com saída
Apenas uma porta em destaque
Saídas de volta à entrada
O vazio de dentro não é aconchegante
Meros vícios confortantes

Mais uma vez
Tudo em paz
Mais uma vez jaz
Agora tanto faz

Yuri Thomazelli