2 de nov de 2014

Evidences


Sorry
for what I've been
Sorry
for I haven't done anything
until now
Sorry
for by the times
of this time
that
we can't catch
anymore

I just thought
for myself
I left the rain
take care
I pretended that
everything was ok

The light was outside
but what I have inside me?
The darkness doesn't tear
my chest to I
say these words

Answers filled
in invisible signs
through the days
doesn't wait for
my choices

And I still here
tied in a unrestricted
prison
Looking how a dark sky
can't manage hide the moon
forever

Lyrics: Yuri Thomazelli
Foto: University of Western Sidney


Tradução

Evidências

Desculpe

pelo o que tenho sido

Desculpe
pelo nada que tenho feito
até agora
Desculpe
pelas vezes
desse tempo
que não podemos
mais agarrar

Eu apenas pensei
por mim mesmo
Eu deixei a chuva
tomar conta
Eu fingi que
tudo estava ok

A luz estava lá fora
mas o que eu tenho dentro de mim?
a escuridão não parte
meu peito para eu
dizer essas palavras

Respostas preenchidas
em sinais invisíveis
através dos dias
não esperam pelas
minhas escolhas

E eu ainda estou lá
preso em uma prisão
sem limitações
Olhando como um céu escuro
não consegue esconder a lua
para sempre

27 de out de 2014

Whatever you want understand


Could you blow me away
From this side
I can't see
Tomorrow

This cloud is tearing up
An acid rain
above my face

I will accept my hands away
From this land
I shouldn't give a last breath
but I'll accept my hands away
from this land

The destiny
I'll find in some book
with my initials
I don't care
For what should I

The sun is purchased for
some loose cannons
Take look around
there is no blue sky

This is why the cloud is
tearing up
An acid rain
Above my face

I will accept my hands away
From this land
I shouldn't give a last breath
but I'll accept my hands away
from this land

My money in my chest
don't wanna buy your soul

I will accept my hands away
From this land
I shouldn't give a last breath
but I'll accept my hands away
from this land

I wished the morning smell
In the deep of sea
I'm so sorry
but the fear isn't with me

I'm boarding away
There is no more cloud
the handkerchief won't shake for me
I never desert
I know

I will accept my hands away
From this land
I shouldn't give a last breath
but I'll accept my hands away
from this land

(Lyrics: Yuri Thomazelli)
(Foto: Paul Messink)

17 de out de 2014

Adrift

So far away
Walking through
all the ways
Looking for someday
Looking for someday

For the rising soul
from the inside
The time when the colors
won't be only in the eyes

What kind of blindness is it?
What is approaching
it's a sign of carelessness
From nowhere, to where?

Walking away
One more time
through wasted days
Dumping the life away
Dumping the life away

Yuri Thomazelli


Tradução

À deriva

Tão longe 
Andando por através de
todas as maneiras 

Procurando por um dia 
Procurando por um dia 

Para a alma ascendendo
do interior 

O momento em que as cores
não estarão apenas nos olhos 


Que tipo de cegueira é essa? 
O que está se aproximando
é um sinal de descuido 

Do nada, para onde? 

Fugindo 
Mais uma vez através
de dias perdidos 

Despejando a vida fora
Despejando a vida fora

26 de mar de 2014

Partido


Há uma melodia tocando no fundo da minha alma

o que ela transmite não transmite
E a noite as palavras se perdem no sono
O sonho e o pesadelo se cruzam

O mundo partiu enquanto decidi ficar
perdido e ao mesmo tempo acolhido
E durante o dia estou fora do aquário
Eu paro e todos os outros circulam

A quem estou querendo mentir
ao solitário ou ao apaixonado
Quem está com a razão
o cego ou o que finge ser

Não tenho horizonte para caçar
respostas perdidas nesse lugar
domesticamente selvagem
onde as regras nunca existiram

O sabor alquímico do álcool
Uma poesia para os acordes
de uma canção limitada de filosofia
na palma da minha mão

A quem estou mentindo
ao solitário ou a quem nunca existiu
Quem está com a razão
o cego ou quem finge ser

Por que palpita tanto enquanto estou em coma
Profundamente em busca de nada
Vagando por aí como um cego ou
fingindo ser normal nesse mercado

Pergunto-me ainda agora que melodia é essa
Sem perfume e sem tato e
sem 'normalidade' diante desse mundo
Devo ter negado a minha condição de animal.

A quem estou mentindo
ao solitário ou ao que finge ser
Quem está com a razão
o cego ou o apaixonado

Yuri Thomazelli

15 de mar de 2014

Panorâmica



O mundo gira
minha cabeça gira
trezentos e sessenta graus
por todos os cantos
desse mundo sem pé
e sem cabeça

Que voz é essa que
ofusca o Sol e resta
o calor de um amor
ou seria um calor de dor

Caminhos cruzam-se entre si
Nenhum deles há uma saída
Por quanto tempo eu ande
por tanto tempo ainda que
não encontre

Razão e a emoção
uma pedra e uma nuvem
dentre todos os sentidos
ser e viver da a mesma água
que refresca
a mesma água
que aquece

As marcas deixadas para trás
cruzam-se entre si
Nenhuma delas há uma saída
Por onde tanto eu ande
Por quanto tempo imaginando
que o que eu encontre

Razão e emoção
uma pedra e uma nuvem
dentre todos os sentidos
nadar e mergulhar na mesma água
que refresca
a mesma água
que afoga

Minha cabeça gira
trezentos e sessenta graus
por todos os cantos
desse mundo sem pé
nem cabeça
mas o mundo continua
a girar com ou sem rumo
Quiçá a cabeça que há
de encontrar

Yuri Thomazelli

13 de jan de 2014

Espelho


Olho-me no espelho
meu reflexo
fora do contexto
Ei você aí
responda-me
quem sou eu?

Até agora sinto-me
uma peça perdida
de um mosaico
onde meu reflexo
não reflete

Olho-me no espelho
e não me encontro
como eu deveria ser
Diga-me quem és tu?
Sou o mesmo que você
ou fui feito apenas para
te enganar?

O que tu vês?
O que tu sentes?
O que não sou diante de ti?
Meu plágio perfeito
 
meu ego em imagem
Em um universo
de espelhos

Olho-me no espelho
Uma peça única
Imperfeita e desatualizada
Perfeita aos olhos meus
Todos os meus passos
Todos os meus prazeres
Todos os meus espelhos
Meus reflexos fora de mim
Todo meu amor
por um reflexo

Yuri Thomazelli

4 de jan de 2014

Mar e conchas


Estou no caminho certo?
Deveria eu sentir tudo isso?
Está certo seguir o que
nunca vi?

Não
Eu não deveria
Não sou como o inimaginável
Sou real dentro da minha idealidade

O dia está de sol
E deveria ser tudo normal
Deveria...
Seria mais simples a te esquecer

Em meio a tantos estranhos
Explique-me o porquê disso
porque não sei o que eu
realmente fiz

Palavras ditas em silêncio
com um gosto salgado
Vindas de um fundo que 
deveria ser doce

Eu não tenho a melhor
das poesias pra enganar
Enganar a mim mesmo?
Sei que não é uma onda

Eu estava flutuando com
os pés no chão
A única flor colhida
sooava um eco

E ainda me perco
perguntando 
se eu deveria
se realmente eu deveria

E toda essa história
ganhou uma página
em branco de rendição
ou de paz, tanto faz

Eu vou sentir sua falta
Eu vou...

Yuri Thomazelli

1 de jan de 2014

Fim da linha


A estrada
a corda
os óculos
o horizonte

Os batimentos
a transpiração
Os passos
o vento

A espera
a pressão
os suspiros
o túnel

A metade
a chuva
os problemas
o fim

A chegada
a miragem
os círculos
o arrependimento

A estrada
Os batimentos
A espera
A metade
A chegada

a corda
a transpiração
a pressão
a chuva
a miragem

os óculos
os passos
os suspiros
os problemas
os círculos

o horizonte
o vento
o túnel
o fim
o arrependimento

Yuri Thomazelli